Recomenda-se:

Netscope

Saturday, April 13, 2013

As coisas que eu ouço: como alguém me disse, muito sabiamente...


"As desilusões não se comentam, enterram-se".

Porque quando são realmente desilusões (e não simples mal entendidos) quanto mais se analisa, pior. Mais podres se descobrem. Mais as mentiras se empilham, mais as meias verdades se sobrepõem, mais o lado negro das pessoas fica à vista - e ainda surgem verdades dolorosas, intervenientes monstruosos, que já não são necessários para tirar conclusões. Só para acrescentar mais amargos de boca, lembrar pecados esquecidos, reabrir feridas e correr filmes mentais perfeitamente dispensáveis. Afinal havia mais isto? E aquilo? E provavelmente aqueloutro, desde a data X...bem me parecia que aquilo soou estranho...que fiz/disse/pensei nessa altura?  Todas as pistas fazem sentido, todos os sinais batem certo, e uma pessoa pergunta-se como foi a última a perceber o enredo- num modo now I know your game que nunca é agradável. Enquanto se vai Looking back over my shoulder, como diz uma das minhas canções preferidas, é melhor abrir um buraco bem fundo para fechar o assunto, encontrar um quarto de pânico com porta blindada,  trancar o caso lá dentro e deitar fora a chave. Numa desilusão verdadeira os ângulos, as áreas escuras, os mistérios, são insondáveis e infinitos. Why bother trying?


1 comment:

Inês Maria Rocha Gonçalves Moura de Sousa said...

esta eu não conhecia, mas é tão verdadeira...

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...